Melvin Edwards no Palácio do Catete

Palácio do Catete recebe exposição individual de Melvin Edwards até outubro

Melvin_Edwards_boa Sorte Primeiro Dia

O Museu da República orgulhosamente recebe as obras de Melvin Edwards. Nascido nos Estados Unidos em 1937, Melvin, ou Mel, se tornou célebre por suas esculturas abstratas de metal em aço, de alto teor político, como na emblemática série “Fragmentos Linchados”, exibida em 2018 no MASP. Esta icônica série fazia referência direta à prática hedionda dos linchamentos, que se seguiram à abolição da escravatura nos EUA.

No Palácio do Catete estarão expostas obras mais recentes, feitas durante uma estadia do artista em São Paulo em 2019. O conjunto inclui obras de aço, como “Boa Sorte, Primeiro Dia” (foto), típicas do consagrado estilo do artista, mas também aquarelas que dialogam com o peso do metal.

A abertura da exposição é neste sábado, 17/8, e fica até 27/10.

Idealização: Auroras e Alexander Gray Associates.
Apoio: Galeria do Lago
Realização: Museu da República / Ibram

A imagem:

Boa Sorte, Primeiro Dia (2019) | Good Luck, First Day, 2019
Aço
37,5 x 37,5 x 15,5 cm

* * *

Texto crítico

MELVIN EDWARDS, por Isabel Sanson Portella

Nada na vida é apenas o que se vê. Tudo é mais, tudo pode ser outra coisa, ter outro nome. Pode estar dentro e fora. Nunca é apenas preto ou branco. Essas são apenas algumas premissas para se ter em mente ao observarmos a obra de Melvin Edwards, esse escultor que traabalha com os símbolos, com os vazios e as formas.  Reconhecido como pioneiro na arte contemporânea Afro-americana, Melvin Edwards funde engajamento político com abstração, produzindo objetos densos, fortes e carregados de significados. Sua obra procura conciliar o interesse na abstração com a paixão por contar a história da cultura negra, buscando o diálogo com as lutas históricas e contemporâneas. Seus inúmeros trabalhos refletem a intensa vivência pessoal e a simplicidade, e autenticidade de seu discurso se impõem na produção. Edwards aponta a capacidade de reconhecer como fundamental para o entendimento do seu trabalho. Onde a grande maioria dos expectadores vê objetos ele reconhece materiais. Peças de sucata em aço, como correntes, arame farpado e ferramentas são destituídas de seu significado original e organizadas a partir daquilo que o artista pretende contar, algo profundamente enraizado no que o interessa política e esteticamente. Sua arte é um veículo para glorificar o indivíduo, explorar a nostalgia e entender a cultura afro descendente.

Melvin Edwards, ao ocupar os salões do Palácio do Catete, reacende questões relacionadas ao colonialismo, trabalho escravo e práticas culturais. A própria história do Palácio está intimamente ligada às lutas de classe, a situações de opressão que, não necessariamente esbarram na escravidão, mas em situações de mesma estrutura. Nas obras do escultor, o silencio fala bem alto, os espaços gritam tanto quanto as formas. A construção luxuosa, que hoje abriga o Museu da República, local primeiramente freqüentado pela elite ligada à tradição cultural européia, abre agora suas portas para a cultura africana.  Ferramentas de Ogum, obra significativa, é uma das muitas produzidas durante a temporada de Edwards no Brasil. O poderoso guerreiro, orixá ligado à metalurgia, combate a injustiça.

Os trabalhos de Edwards convidam a associações com sistemas de opressão racial no mundo e chamam a atenção para a força física que mantém esses sistemas de poder. Entretanto, as ferramentas de violência nos trabalhos são também evocativas da resistência e da liberdade.

Publicado em

Deixe seu comentário

COMETÁRIO
  1. Captcha
 

cforms contact form by delicious:days