Republicando: Boletim Mensal – Março/2016

Clóvis Bornay fantasiado de Cardeal Richelieu – Divulgação/Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro
Perigo do Samba Clóvis Bornay

Se você fosse sambista na década de vinte do século passado, ou apenas gostasse de ouvir e dançar Samba, tinha que ter muito cuidado. Quem fosse pego cantando ou dançando Samba corria o risco de ser preso. Hoje, 100 anos depois, quem diria, o Samba que foi perseguido, xingado, mal tratado, virou um dos maiores símbolos da cultura brasileira. E o Samba não parou por aí. Se espalhou por todo o país e deu vários filhotes como o Samba enredo, Samba de partido alto, pagode, Samba-canção, Samba-exaltação, Samba de breque, Sambalanço e até a bossa nova, que também é filha do Samba.

No retorno da nossa programação do Cineclube Cinema e História Silvio Tendler, vamos fazer uma homenagem em comemoração ao centenário do Samba e exibir o documentário “Velha Guarda da Portela – o Mistério do Samba”, com depoimentos dos mais importantes integrantes da história da Portela, como Paulinho da Viola. Depois do filme teremos debate com o diretor Silvio Tendler e os historiadores Elizabeth Abel e Romney Lima.

Na primeira Jornada Republicana desse ano vamos falar sobre o tema “Homofobia e memória LGBT”, partindo de um mito da história do carnaval no Brasil, que também estaria fazendo 100 anos: Clóvis Bornay. Além de ser um mestre das fantasias de luxo do carnaval, Bornay foi também um lutador da causa LGBT e fundou, numa época em que o preconceito ainda era enorme, a torcida FlaGay.

Teremos também o projeto “Música no Museu”, lançamento do livro “Guerra dos Lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças”, da urbanista Raquel Rolnik, apresentação da “Orquestra Villa Lobos e as Crianças” no Jardim do Museu, Feira de fotos, organizada pela ABAF – Associação Brasileira de Arte Fotográfica, as exposições “Por um Beijo da Guanabara” e “Clóvis Bornay – 100 anos”, dentro do Museu da República, e “Geodésia e Gelosia”, na Galeria do Lago. Além, é claro, da nossa tradicional e indefectível “Seresta no Museu da República”, criada pelos frequentadores do Jardim do Museu.

Três Sambistas bonitos e elegantes: Pixinguinha, João da Baiana e Donga

Durante o carnaval desse ano, ao mesmo tempo em que os blocos e escolas de samba desfilavam pela cidade e a memória do museólogo e carnavalesco Clóvis Bornay (1916-2005) era celebrada pelo Museu da República através da exposição “Clóvis Bornay – 100 anos”, a Secretaria Estadual de Direitos Humanos do Rio de Janeiro ainda era ocupada por um pastor evangélico conhecido por suas declarações homofóbicas, causando preocupações quanto à continuidade das políticas públicas dedicadas ao segmento de lésbicas, gays, bissexuais e travestis (LGBT). Uma coincidência ainda mais contrastante se lembrarmos que, dentre as múltiplas expressões de Bornay na arte e na vida, destaca-se a sua importância para a memória do movimento LGBT do Brasil.

Como artista e folião, Bornay sempre brincou com a mistura entre os gêneros. Fora do carnaval, vestia-se com roupas masculinas, exibindo bigode à moda latin lover e penteado inspirado no ator e símbolo sexual ítalo-americano Rodolfo Valentino. Porém, nos bailes de fantasia e nos desfiles carnavalescos, Bornay fazia questão de exprimir a convicção de que homens podem ser também pavões, como diz a seu respeito o historiador brasilianista James Green. Personagens históricos como príncipes, reis, papas, czares, marajás e faraós eram representados com luxo, brilho, esplendor e requinte que superavam os das fantasias consideradas tipicamente femininas.

Ao invés de esconder sua preferência sexual em um casamento heterossexual de aparências, no final de sua vida Bornay se casou com uma mulher por gratidão a ela, o que também era mais uma forma de amar. Suas participações como jurado de programas de auditório na TV faziam com que cidadãos mais moralistas enviassem cartas à censura durante a ditadura militar (1964-1985), reclamando de seu jeito “efeminado”. Em 1979, criou a torcida organizada flamenguista Fla-Gay, levando aos campos de futebol o tema da homossexualidade, eterno tabu nesse esporte. Ao preconceito contra sua opção sexual, Bornay respondia com irreverência e coragem.

Apesar de conquistar adeptos e importantes avanços pelo mundo, o movimento LGBT tem despertado a reação violenta daqueles que, por razões morais, políticas e religiosas, condenam a diversidade sexual. E a homofobia vai além do discurso do ódio; no Brasil, somente em 2014, ela causou 316 mortes entre gays, lésbicas e travestis, sem contar os casos não registrados. A garantia do exercício dos direitos básicos da cidadania contra as limitações impostas pelo preconceito é um desafio republicano por excelência. Por isso, nesse mês de março o Museu da República abordará em sua Jornada Republicana o tema dos direitos LGBT e da homofobia tendo como referência o legado de Clóvis Bornay, o museólogo carnavalesco que por mais de 70 carnavais “desfilou na cara do preconceito”.

Paulo Celso Corrêa


Agenda de Março

Dia 1
Projeto Música no Museu
Músico: Ana Maria Brandão, piano.
Programa: S Bach – concerto para piano BWV 1055, em lá maior, com os movimentos allegro/largo/allegro
Local: Auditório Apolônio de Carvalho
Horário: 12h30 às 14h

Dias 1 a 6, 8 a 13, 15 a 20, 22 a 27 e de 29 a 31.
Seresta no Museu da República
Organizada pelos frequentadores do museu
Local: Pátio Interno
Horários: 17h às 20h (terça a sexta-feira) e
15h às 18h (sábados e domingos)

Dia 7
Lançamento do livro: “Guerra dos Lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças”, da urbanista Raquel Rolnik, que aborda o processo global de financeirização das cidades e seu impacto sobre os direitos à terra e à moradia dos mais pobres e vulneráveis. Haverá palestra da autora, seguida de sessão de autógrafos.
Local: Espaço multimídia
Horário: 18h30

Dia 19
Orquestra Villa Lobos e as Crianças Ensaio no Jardim do Museu da República.
Horário: 9h às 14h
Entrada Franca

Dia 27
Feira de Fotos
Organizada pela ABAF – Associação Brasileira de Arte Fotográfica
Local: Aléia da Rua Silveira Martins
Horário: Das 9h às 18h

Dia 29
XXV JORNADA REPUBLICANA

Mesa-redonda com o tema: “CLÓVIS BORNAY – Homofobia e Memória LGBT”.
Debate com convidados.
Local: Espaço Multimídia
Horário: 18h

Dia 31
CINECLUBE CINEMA E HISTÓRIA SILVIO TENDLER.

Em comemoração ao centenário do Samba será exibido o documentário “Velha guarda da Portela – O mistério do Samba”, com muito samba e com depoimentos de alguns dos mais importantes integrantes da história da agremiação, inclusive o fundador, Paulinho da Viola. Debate com o diretor Silvio Tendler, os historiadores Elizabeth Abel e Romney Lima.
Local: Cineclube Cinema e História Silvio Tendler.
Horário: 18h


Exposição “Por um beijo da Guanabara”
Local: Museu da República – térreo
Horário: 10h às 17h (de terça a sexta-feira) e 11h às 18h (sábados, domingos e feriados)

Exposição “Clóvis Bornay – 100 Anos”
Local: Sala de Exposições Temporárias do Museu da República
De 26 de janeiro a 30 de abril de 2016
Horário de visitação: 10h às 17h (de terça a sexta-feira) e 11h às 18h (sábados, domingos e feriados)

Exposição “Gelosia e Geodésia” de Rosana Ricalde e Felipe Barbosa
Curadoria: Isabel Portella
Local: Galeria do Lago
De 31 de janeiro a 01 de maio
Horário de visitação: 10h às 12h e 13h às 17h (terça a sexta) e 11h às 18h (sábados, domingos e feriados)
ENTRADA FRANCA

Seresta no Museu – Seresta no Museu – Dias 1 a 3, 5 a 10, 12 a 17, 19 a 24 e 26 a 31
Local: Museu da República – pátio interno
Terça a sexta-feira – de 17h às 20h
Sábados e domingos – de 15h às 18h


VISITEM O NOVO SITE DO MUSEU DA REPÚBLICA:
museudarepublica.museus.gov.br


Visite Roteiros Republicanos
http://museudarepublica.museus.gov.br/exposicoes/roteirosrepublicanos/index.html

MUSEU DA REPÚBLICA | Rua do Catete, 153 | Rio de Janeiro | RJ
tel: 2127 0333 mr@museus.gov.br
museudarepublica.museus.gov.br

Confira os Boletins Passados